Ortopedia e Traumatologia da Criança e do Adolescente

AS ORIENTAÇÕES AQUI APRESENTADAS DESTINAM-SE AOS PACIENTES E SEUS FAMILIARES. FOI ESCRITA EM LINGUAGEM LEIGA,
EVITANDO-SE TERMOS TÉCNICOS. EMBORA NOSSA INTENÇÃO SEJA CONTRIBUIR COM INFORMAÇÕES GERAIS, ELAS NÃO SUBSTITUEM
AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO SEU MÉDICO, QUE CONHECE OS DETALHES DO SEU PROBLEMA E PODERÁ, DE FATO, REALIZAR
ORIENTAÇÃO EFETIVA E PARTICULARIZADA.

Maneira de andar

Como já exposto, o fato de andar depende mais do amadurecimento neurológico do que do treinamento e também a maneira de andar faz parte de um aprendizado progressivo que só se completará aos seis anos de idade. No começo, a criança anda como bêbado, isto é, com os pés afastados e fazendo muitos movimentos com os braços e o tronco. Isto é normal e decorre da falta de equilíbrio que, por sua vez, depende do amadurecimento do cérebro. Com o tempo, os movimentos ficam mais firmes, a postura melhora, os passos tornam-se mais regulares e as quedas diminuem. Estas ocorrências são normais e variam muito de criança para criança. O que é muito importante é constatar que a marcha sempre deve melhorar. Se estacionar ou, principalmente, se regredir, deve-se procurar o neurologista para investigação da causa. Outro sinal de alerta é se o acometimento for de um só lado, se surgem outras alterações, se uma perna é mais fina, mais curta, etc. Nestes casos, além do neurologista, um ortopedista deve ser consultado.