Ortopedia e Traumatologia da Criança e do Adolescente

AS ORIENTAÇÕES AQUI APRESENTADAS DESTINAM-SE AOS PACIENTES E SEUS FAMILIARES. FOI ESCRITA EM LINGUAGEM LEIGA,
EVITANDO-SE TERMOS TÉCNICOS. EMBORA NOSSA INTENÇÃO SEJA CONTRIBUIR COM INFORMAÇÕES GERAIS, ELAS NÃO SUBSTITUEM
AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO SEU MÉDICO, QUE CONHECE OS DETALHES DO SEU PROBLEMA E PODERÁ, DE FATO, REALIZAR
ORIENTAÇÃO EFETIVA E PARTICULARIZADA.

Pé plano

O pé plano, também conhecido como pé chato, é um tipo de pé em que falta a curvatura do lado interno do pé. Além disso, o pé costuma ser, também, inclinado para dentro. Este tipo de pé causa muitas preocupações para a família, mas, na maioria das vezes não é condição séria. Até os dois anos de idade é comum as crianças terem pé chato. Depois dessa idade o arco do pé começa a se formar e estará completo até os seis anos de idade. Quando o ortopedista examina uma criança com pé chato é preciso avaliar o grau, a constituição geral da criança, se o pé é flexível ou não, etc. Com estes elementos ele é capaz de dizer se o pé, apesar de chato, é normal ou não. Se for normal, deve ser apenas observado até os seis anos de idade e então reavaliado. Na maioria das crianças o pé se corrige espontaneamente e não estão indicadas palmilhas e botas ortopédicas, tão comuns no passado. Hoje, sabe-se que uma palmilha ou bota não corrige o pé chato e, muitas vezes, prejudica a criança.
Entretanto, algumas crianças tem pé chato muito grave ou então tinham os pés normais e eles começam a achatar-se. Nestes casos é necessário investigar a causa que pode ser neurológica, por excesso de flexibilidade do pé ou ainda ser decorrente da formação de uma barra de osso unindo alguns ossos do pé. Dependendo da causa, pode haver tratamento específico.
No pé plano causado por barra óssea (coalisão tarsal), geralmente a criança é normal e, depois, começa a ter um ou os dois pés deformados. Juntamente com isso o pé perde a flexibilidade e se torna doloroso. O exame que mais ajuda a fazer o diagnóstico é a tomografia computadorizada que mostra a barra óssea unindo dois ossos. O tratamento é retirar a barra óssea por meio de cirurgia. Se a criança vem muito tarde, pode não ser possível remover a barra.
Por último, há um pequeno número de crianças que sempre tiveram pés chatos, muitos deles tratados por palmilhas, e que chegam aos 6-7 anos com os pés muito deformados. Nestes casos, após radiografia, pode ser necessária uma cirurgia para a correção. Há vários tipos de cirurgia que variam conforme o grau de deformidade, idade da criança e experiência do ortopedista.