Ortopedia e Traumatologia da Criança e do Adolescente

AS ORIENTAÇÕES AQUI APRESENTADAS DESTINAM-SE AOS PACIENTES E SEUS FAMILIARES. FOI ESCRITA EM LINGUAGEM LEIGA,
EVITANDO-SE TERMOS TÉCNICOS. EMBORA NOSSA INTENÇÃO SEJA CONTRIBUIR COM INFORMAÇÕES GERAIS, ELAS NÃO SUBSTITUEM
AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO SEU MÉDICO, QUE CONHECE OS DETALHES DO SEU PROBLEMA E PODERÁ, DE FATO, REALIZAR
ORIENTAÇÃO EFETIVA E PARTICULARIZADA.

Criança sedentária

No passado, as crianças eram criadas livres e apresentavam uma atividade espontânea com muito envolvimento físico. Isto é importante para o desenvolvimento físico, social e emocional.
Atualmente, com o perigo do trânsito e a violência das ruas as crianças ficam mais restritas e resguardadas, de modo que passam a brincar em ambientes cada vez mais limitados e, algumas, ficam confinadas em apartamentos, buscando passar o tempo na televisão, computador e jogos eletrônicos. Não raramente, associam a estas atividades o hábito de ingerir bolachas, doces, e refrigerantes, levando à obesidade infantil, ocorrência cada vez mais comum e mais preocupante na sociedade moderna.
Muitos pais conscientes da necessidade de atividade física levam seus filhos a prática de esporte programados e isto é uma atitude saudável.
Entretanto, vários fatores devem ser levados em consideração ao introduzir seu filho em um esporte. Primeiro, é preciso que o esporte seja adequado a sua idade. Segundo, é fundamental que ele goste do que está fazendo e, por último, o treinamento deve ser ajustado à idade e ao físico da criança.
O esporte para a criança deve ser voltado para o benefício dela e não para o gosto dos pais.
É preciso compreender que o gosto por um esporte muda conforme a idade. Assim, uma criança que gostava muito do judô, depois, passe a preferir o futebol, etc. Estas escolhas devem ser respeitadas.
A criança pequena deve fazer o esporte ludicamente, isto é como uma brincadeira. Não se deve exagerar nos treinamentos e no alcance de metas.
Outro detalhe é que o esporte não deve colocar a criança em risco de alguma lesão mais grave. Isto vale para algumas artes marciais, ginástica olímpica e balé, por exemplo. Toda a atividade física deve ser supervisionada e bem orientada.
Existe muita dúvida em relação à idade em que a criança deve começar a realizar práticas físicas competitivas, mas a maioria dos especialistas concorda que deva ser após os 10 anos de idade.