Ortopedia e Traumatologia da Criança e do Adolescente

AS ORIENTAÇÕES AQUI APRESENTADAS DESTINAM-SE AOS PACIENTES E SEUS FAMILIARES. FOI ESCRITA EM LINGUAGEM LEIGA,
EVITANDO-SE TERMOS TÉCNICOS. EMBORA NOSSA INTENÇÃO SEJA CONTRIBUIR COM INFORMAÇÕES GERAIS, ELAS NÃO SUBSTITUEM
AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO SEU MÉDICO, QUE CONHECE OS DETALHES DO SEU PROBLEMA E PODERÁ, DE FATO, REALIZAR
ORIENTAÇÃO EFETIVA E PARTICULARIZADA.

Dor do crescimento

Este é um assunto muito controvertido e este termo deve ser usado o menos possível, pois, com frequência é empregado quando não se sabe bem o que a criança tem. Crescimento por ser um fenômeno fisiológico, em princípio, na doi.
O fato é que muitas crianças, geralmente entre 4 e 6 anos de idade queixam-se de dor nas pernas que aparece no fim do dia, à noite, ou durante o sono.
Geralmente a criança não localiza bem onde é a dor, apontando as pernas. Não há sinais de inflamação ou dor localizada e há alívio com pequenas massagens ou a dor desaparece espontaneamente depois de algum período de repouso.
A chamada dor de crescimento em verdade, é uma dor de sobrecarga muscular. Aparece quando a criança é muito ativa ou obesa. Geralmente está presente na criança com flexibilidade exagerada ou naquela com musculatura encurtada. O ortopedista deve ser consultado, pois muitas doenças ortopédicas podem dar manifestação semelhante e ficam rotuladas como dor do crescimento.
A abordagem médica será personalizada no sentido de identificar os hábitos da criança e seu perfil muscular. A fisioterapia pode estar indicada, ou contraindicada. Muitas vezes, esse tipo de dor só desaparece com a idade e, enquanto isso podem ser lidadas com massagens e, se muito fortes, banhos quentes e com uso de analgésicos infantis, ocasionalmente.
A massagem deve ser feita comprimindo-se a musculatura da perna do tornozelo em direção ao joelho, como se estivesse “espremendo”, realizada na musculatura da frente e da parte posterior da perna.