Ortopedia e Traumatologia da Criança e do Adolescente

AS ORIENTAÇÕES AQUI APRESENTADAS DESTINAM-SE AOS PACIENTES E SEUS FAMILIARES. FOI ESCRITA EM LINGUAGEM LEIGA,
EVITANDO-SE TERMOS TÉCNICOS. EMBORA NOSSA INTENÇÃO SEJA CONTRIBUIR COM INFORMAÇÕES GERAIS, ELAS NÃO SUBSTITUEM
AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO SEU MÉDICO, QUE CONHECE OS DETALHES DO SEU PROBLEMA E PODERÁ, DE FATO, REALIZAR
ORIENTAÇÃO EFETIVA E PARTICULARIZADA.

Escoliose

A escoliose é o desvio da coluna para um dos lados, o que causa alteração na postura, na simetria do tronco e, dependendo do grau, artrose no futuro. Ela pode ser de vários tipos, sendo a mais comum aquela que surge na adolescência. É mais comum na menina e a manifestação que mais chama a atenção é que um lado do corpo começa a ficar diferente do outro: os ombros ficam em alturas diferentes, às vezes há inclinação do tronco ou da bacia para um dos lados e pode ser vista uma saliência na região dorsal, principalmente quando pessoa se inclina. Às vezes o que chama primeiro a atenção é a dificuldade em conseguir uma roupa que “assente” bem. Raramente causa dor quando a pessoa é jovem. Essas alterações são muito discretas no começo, mas aumentam e, mais tarde passam a ser deformantes.
A escoliose do adolescente pode se situar na região do tórax, na região lombar, ou em ambas. A alteração escoliótica pode ser melhor observada quando a criança encurva-se e um lado das costas fica mais alto do que o outro (ver figura).Quando surgem esses sinais a melhor conduta é levar ao ortopedista que será capaz de fazer o diagnóstico e definir bem o tipo de curva e o prognóstico. Geralmente, para isso, precisa de uma radiografia panorâmica do tronco, isto é, que dê uma imagem de toda a coluna torácica e lombar em um só filme.
Geralmente, quando mais a jovem for crescer, maior a possibilidade de piora da curva.
O tratamento varia conforme a idade, o tamanho da curva e a maturidade esquelética. Se as curvas forem pequenas é feito apenas o seguimento. Se forem maiores, ou estiverem aumentando rapidamente, a maioria dos ortopedistas prescreve o uso de um colete cujo modelo poderá variar, conforme a localização da curva.
Se a paciente vem tardiamente, já com grande curva, ou se o tratamento com colete não deu certo, há possibilidade de correção com cirurgia. Este tipo de cirurgia tem evoluído muito ultimamente e cada vez se tem melhores correções, com manutenção dos movimentos da coluna. Entretanto, a cirurgia de escoliose é considerada um grande procedimento, geralmente dura horas e há necessidade de transfusão de sangue. Ela só deve ser feita por cirurgião especializado em coluna e familiarizado com as técnicas modernas.
Sobre o colete tenho a dizer que ainda é de uso controvertido entre alguns cirurgiões de coluna, mas, frequentemente existe muita resistência do adolescente ao usá-lo, pelo seu aspecto, desconforto, limitação de atividades e pelo comportamento rebelde próprio da idade.