Ortopedia e Traumatologia da Criança e do Adolescente

AS ORIENTAÇÕES AQUI APRESENTADAS DESTINAM-SE AOS PACIENTES E SEUS FAMILIARES. FOI ESCRITA EM LINGUAGEM LEIGA,
EVITANDO-SE TERMOS TÉCNICOS. EMBORA NOSSA INTENÇÃO SEJA CONTRIBUIR COM INFORMAÇÕES GERAIS, ELAS NÃO SUBSTITUEM
AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO SEU MÉDICO, QUE CONHECE OS DETALHES DO SEU PROBLEMA E PODERÁ, DE FATO, REALIZAR
ORIENTAÇÃO EFETIVA E PARTICULARIZADA.

Cuidados com o uso do gesso

O gesso é uma maneira de obter imobilização com várias finalidades, além de permitir correção de deformidades. É um sistema rígido, com apoios em certas regiões e que demanda alguns cuidados. Em primeiro lugar um gesso nunca deve causar dor, segundo, não pode provocar inchaço exagerados dos dedos. Se isto ocorrer, principalmente com piora à medida que o tempo passa, o médico deve ser contatado e, provavelmente o gesso retirado. Ele poderá causar feridas ou compressão que podem afetar a circulação.
Por parte da família é necessário que ela oriente ou cuide para que a criança não introduza objetos dentro do gesso (vara, palitos, escova de dente, moedas, etc), com a finalidade de coçar ou brincar. Estes corpos estranhos provocam ulcerações, às vezes, muito graves.
O gesso não pode ser molhado. Para o banho ele deverá ser encapado com saco plástico preso com fita crepe na pele. Se o gesso molhar, é preciso secá-lo colocando o braço ou a perna no sol ou usando um secador de cabelo.